Mostra África: Cinema e Revolução a sangue frio

Fomos convidados para a estreia da Mostra África que está rolando no Caixa Belas Artes, em São Paulo, e já adianto: é para quem gosta de cinema real, pesado e para quem estômago para grandes tragédias.

No mês da consciência negra a Mostra África presta uma homenagem ao cinema criado no contexto de independência e revolução dos países africanos. A mostra patrocinada pela Caixa Econômica Federal estreou no dia 10 de novembro e terá 39 produções exibidas, entre curtas e longas-metragens. Ao longo da programação, estão previstas sessões acompanhadas de debates com cineastas e especialistas no assunto, além de oficinas de cinema. Jean Rouch, José Celso Martinez Corrêa, Ruy Guerra, Murilo Salles, Licínio Azevedo, Santiago Álvarez, Margarida Cardoso e Sarah Maldoror estão entre os cineastas que terão seus filmes exibidos na mostra.

filme 25_1

Assisti ao filme “25″ de Zé Celso e Celso Luccas, que  conta a história da independência de Moçambique depois de quatrocentos anos de opressão e dominação colonialista. O longa foi exibido em 1977 no Festival de Cannes e na primeira edição da Mostra Internacional de Cinema de São Paulo.

A história é triste, opressora e difícil de ser digerida. É uma mescla de documentário e ficção, com muitas cenas em preto e branco com cortes beeem lentos. Sim, é um filme antigo, com montagem original, então, você tem que ir preparado para isso.  Dedurarei alguns colegas cansados, sim, houve ronco na sessão. (Hahahahaha)

A narração é feita com português moçambicano e com legendas em francês, com um toque bem carregado que pode ser interpretado como piegas até, então, vamos dar um desconto a eles (dorminhocos), pois muita atenção deve ser dada ao conteúdo para que possa ser compreendido.

O que mais me chocou foram as letras das músicas da trilha sonora, elas foram compostas entre 1950- 1975 e são extremamente racistas e preconceituosas.

filme 25_2

A harmonia entre as imagens e trilha chega a ser dolorosamente horrenda, as cenas de abuso pintam um quadro do que está sendo cantado!

É um filme conceitual, para chocar, comover e ele cumpre este papel.

Indico o filme e a Mostra a África para todo mundo. É importante levarmos nosso olhar para este ponto doloroso da história do mundo e que não faz tanto tempo assim que aconteceu, e precisa ser lembrado para que nunca mais aconteça de novo.

Particularmente eu não gostei muito do filme “25″, mas entendo o propósito dele e a sua relevância, em especial na época que ele foi lançado, em meio a ditadura militar que o Brasil vivia. Foi um sopro de revolução em tempos de tanta repressão.

filme 25_3

A Mostra África fica em cartaz até o dia 23 de novembro de 2016.

Nota-do-crítico-3

Não esqueça de se inscrever na nossa Mail List colocando seu e-mail abaixo!

Nerd: Natalia Contave

Natalia Contave, sou eu! A maluca com tatuagem de Harry Potter que ama cinema e literatura, e quando junta os dois, fica melhor ainda! Trabalho escrevendo, me divirto escrevendo, então, vamos fazer isso! Veremos uns filmes, leremos umas coisinhas e depois conto tudo por aqui! ;)

Share This Post On