Por que Campus Party 9 foi tão diferente das outras?

Se para as pessoas normais o ano só começa depois do carnaval, podemos afirmar que a Campus Party é o carnaval geek e, para muitos, o ano começa depois da Campus Party. Na sua nona edição, o maior evento de tecnologia da América Latina mostra as tendências em TI para o ano.

20160127_144615

Todas as edições da Campus Party sempre foram mágicas e incríveis, mas essa foi bem diferente das outras. Infelizmente nessa edição ela perdeu um pouco do brilho, isso aconteceu por vários motivos:

  • Falta de patrocinadores, além da falta de marcas de peso que geralmente estavam no evento e esse ano resolveram não ir, a Vivo que é a mãe do evento, decidiu que seu filho com 9 anos deve aprender a andar sozinho e sentimos na pele o despreparo de todos para esse grande salto;
  • Conexão de Internet ruim, infelizmente a internet que sempre foi o grande apelo do evento, estava oscilando com vários pontos de rede sem funcionar.
  • Despreparo da organização em lidar com o público do evento, por ser um evento que reúne pessoas que vivem e respiram a internet, todos são rebeldes por natureza. A organização não estava sabendo lidar com isso, simplesmente impondo regras e abrindo exceções das mesmas. Temos muitos pontos a debater sobre a postura que eles tomam a respeito de certas situações, como o caso da Mariana Bonfim, campuseira veterana que teve chamar a polícia por falta de bom senso da organização ou até mesmo o momento em que várias pessoas ficaram presas fora do evento devido a um “erro” de comunicação deles;
  • Todos sentimos o momento “crise”, sim vamos falar sobre crise, temos muitas matérias falando “apesar da crise crescemos X…” ou “contornamos os efeitos da crise com uma estrategia Y“, ok! Mas nesse evento tivemos a desculpa da famosa crise, sendo real ou não, ela foi sentida. As empresas estavam fazendo o mínimo para se ter um bom um evento com poucas ações e uma certa timidez realizar algumas. Pode ser a crise ou o efeito psicológico dela,mas alguma coisa aconteceu e não foi legal :( .

Apesar de tudo, da mesma maneira que temos empresas veteranas, esse ano tivemos algumas empresas que foram pela a primeira vez no evento:

TIM: notamos claramente o esforço de acolher esse filho que ficou órfã ao qual todos amamos. Com uma proposta bem simplificada e mostrando pouca inovação (infelizmente). Ela não fez feio, mas sabemos que pode fazer algo muito melhor do que dar capinhas de celular ou tirar fotos 360, queremos INOVAÇÃO! Sabemos que vocês podem trazer isso.

JayMatrix

Outback: apesar de ser a primeira vez na campus, se uma empresa entendeu o espírito do evento foram eles. Com boas ações e sempre dando respostas bem humoradas para todos os tweets. Eles mostraram que apesar de serem um restaurante, eles sabem falar bem o público que estava lá. Aliás, eles foram os responsáveis por muitas coisas boas que aconteceram nesse evento. Servindo chá e Bloomin’ Onion em intervalos regulares dentro da campus para as pessoas, não apenas conquistaram o estômago mas o coração de todos. Valeu Outback!!!

best

Esse ano promete ser um ano estranho no geral e realmente essa Campus Party foi estranha se comparada com as demais, podemos imaginar que foi um acúmulo de situações e eventos, nem todos sendo de responsabilidade ou de controle da organização do evento. Porém para os apaixonados pelo evento, sabemos que ele é muito mais que simplesmente um lugar para ganhar brindes ou aparecer em alguma matéria estranha. O evento tem a capacidade de reunir e juntar pessoas fantásticas, pelo menos uma vez por ano sentimos o que significa estar conectado e qual o real poder da troca de conhecimento entre pessoas, entendemos a importância da inovação e o quanto esse espírito de querer crescer mexe com as pessoas. Nas palavras do Paco Ragageles, “O símbolo da Campus Party são os campuseiros e não uma empresa ou marca“, e nisso ele está certo! Vou todo ano para reencontrar velhos amigos e conhecer pessoas incríveis e nunca tive uma decepção nesse aspecto.

Nerd: Richard Brochini

Richard Brochini, 31 anos, trabalha há 13 anos com desenvolvimento de projetos para TI. Cientista maluco, dronemaker e gamer :D Para entrar em contato: http://richard.brochini.com/

Share This Post On