Sentimentos são como uma canção | Crítica A Bela e a Fera

Olá, como estão por ai?!

Por aqui está tudo tranquilo!

Bom, se eu digo que sentimentos são como uma canção e você termina de cantar essa música, cara, fica aqui com a gente que este post é para você! (Se não cantou tá tudo bem também. Fica aqui porque somos de paz, sem preconceitos! Hahahahaha)

Que emoção foi essa, minha gente?! Vem, segura na minha mão!

A Bela e a Fera

Fazia tempo que a Disney não brincava tanto com nossos sentimentos, né?! Ela arrasou muito!

Para contextualizar: em uma década longínqua chamada anos 90 (hahahahahaha), não era legal ser nerd e eu escondia a minha nerdice, renegava, então, quando as pessoas diziam que eu era sonhadora como a Bela, eu dizia que eu era a Jasmine e a Branca de Neve. Mas é isso ai, né?! Manas nerds irão me entender. A Bela é a princesa que representa a gente, o nosso amado mundo dos livros, da imaginação, criatividade, nós somos e éramos estranhas como a Bela.

Então, A Bela e a Fera, sempre foi aquela animação da Disney que estava ao lado de Rei Leão, Aladdin e 101 Dálmatas, enfim, xodós da minha vida!

Quando foi anunciado este live action, eu comecei a contar os dias. E foi tudo isso sim, foi bem mais!

O filme é demais de parecido com o desenho, de verdade! Foram feitas adaptações que são necessárias para humanizar mais as personagens, e elas foram muito bem feitas, funcionaram. Há a lembraça de personagens que não foram exploradas na animação e que aqui ganharam um destaque merecido. Foram acrescidas 3 músicas, bem lindas por sinal, tem surpresa legal no meio disso. (hi hi hi!) E as outras tantas músicas que a gente canta junto estão lá!

Os efeitos visuais do longa são muito bons, os objetos falantes são incríveis! A Fera é muito real! Eu estava lá chorando, cantando e curtindo e não vi, mas alguns colegas de cabine contaram que há pequenos errinhos de continuidade, e pequenas lacunas na história, eles nunca antes tinham visto um filme ou animação da Bela e a Fera, então, eles eram os mais indicados a identificar as falhas.

Lumiere

Quem roubou a cena foi o Gaston! A escolha do ator foi em cheio, sério! O ódio por ele só cresce ao longo do filme. E com um certo pesar eu digo que a Emma Watson pode ser reconhecida como a Bela para a próxima geração, eu procurei minha amada Hermione Granger e não encontrei, ela era todinha a Bela.

O cenário é tão cheio de detalhes, tiveram tanto cuidado para não esquecer nada. O figurino, gente o figurino deste filme é absurdo! É  I-G-U-A-L  ao da animação, não sei como que conseguiram. E sobre as personagens gays: sério que vocês tão fazendo toda essa confusão e alarde por conta delas?! Melhorem! As personagens gays são tão ótimas e fazem completo e total sentido como todas as outras da trama. Para que tá feio, você estão passando vergonha!

Foi realmente uma emoção! E eu compartilho dela com a Analuisa, que viu ao mesmo tempo que eu lá no Rio! Olha o que a gente tricotou sobre o filme:

Natalia NN: E ai, Analu?! Como foi sua cabine?! Você curtiu?!

Analuisa NN: Nossa, como primeira cabine de imprensa da vida, foi certamente iradíssimo!

Natalia NN: E você já gostava da Bela e a Fera? Da animação da Disney?!

Analuísa NN: Eu adoro filmes da Disney, mas não assistia à Bela e a Fera desde pequena. Confesso que mal lembrava da história. Sabia que era a história de uma guria fofa e lindinha, que cruzava com um boy amaldiçoado e tal,… Lembrava que alguns utensílios domésticos falavam…

Analuísa NN: Tem noção que eu nem lembrava do Gaston?

Natalia NN: Jesus! Hahahaha o Gaston é tão importante. Aliás, por sinal, eu achei que esse Gaston roubou a cena. E achei ele bem gato! Hahahaha

Analuísa NN: Nossa, pra mim, ele foi uma pedra no sapato. Não que ele não seja importante pra trama, mais que isso. Que exemplo de ser humano ruim!

Natalia NN: Sim, hahahaha sei bem! Eu gosto de vilões bem maus. Hahahahaha… Por tudo o que você disse e por gostar de vilões que achei que roubou a cena!

Analuísa NN: Ah sim, ele foi um EXCELENTE vilão!
Analuísa NN: O que você achou das músicas? Todas faziam parte do filme original?

Natalia NN: Eu amei as música! Muito!Eu tenho uma relação especial com a Bela, então, cantei junto na cabine. Hahahahahahaha… As músicas são sim, mas tem o acréscimo de 3 novas. E uma delas é uma surpresa linda, né?!

Analuísa NN: Qual delas? Achei todas surpresas lindas! Só lembrava da principal da trilha.

Natalia NN: Ahhh, te conto em segredo. Falando nisso, adorei as adaptações que tiveram. Acabou por humanizar as personagens. Achei muito incrível a lembrança das outras partes que antes não eram trabalhadas.

Analuísa NN: Qual sua cena favorita do filme?

Natalia NN: A da biblioteca, já era antes.  E a sua?!

Analuísa NN: TAMBÉM!!!!!!!!
Analuísa NN:Achei lindo aprender o quanto o que temos pode ter mais valor pra outra pessoa do que pra nós
Analuísa NN: E achei que ali começa a ficar mais claro o afeto crescente dele pela Bela

Natalia NN: É bem isso mesmo!
Natalia NN: Pra mim também sentimentos são como uma canção, não só pra Bela e pra Fera! Hahahahaa

Analuísa NN: Entendo!
Analuísa NN: Agora, a pergunta que NÃO QUER CALAR:
Analuísa NN: Quantas vezes você chorou nesse filme?

Gaston

Natalia NN: Cara, da biblioteca até o final. Sem parar! Hahahahaha

Analuísa NN: Bem, eu chorei do início ao fim, confesso.
Analuísa NN:E eu já bem sabia que isso ia acontecer, fui até sem delineador, pra não virar panda.
Analuísa NN:A primeira cena do pai, nossa, como chorei

Natalia NN: Eu acredito, cara! Pura emoção! Também fui sem maquiagem. Hahahahaha

Analuísa NN: Não dá pra negar, FICOU MARA.

a-bela-e-a-fera

Justíssimo a Analu também dizer suas impressões diretamente a vocês:

 

Um olhar zerado: A Bela e a Fera pelos olhos de quem não viu

Analu aqui, invadindo (com permissão!) o artigo da Natalia, para falar do filme para as pessoas que não assistiram à animação original ou que, como eu, não lembravam de nada! xD

Confesso que não assisto à animação, provavelmente, há uns 15 anos. Não lembrava de MUITA coisa. Então, pra mim, assistir ao live action de A Bela e a Fera foi super especial, como assistir ao filme pela primeira vez. Fora o fato de que foi minha primeira cabine de imprensa – o que tornou a experiência ainda mais especial!

biblioteca

Uma Menina Empoderada

Claro que, com Emma Watson como Bela, a personagem não podia ser diferente: na versão live action de A Bela e a Fera, conhecemos uma Bela empoderada, que não só adora estudar, ler e imaginar o mundão lá fora daquela cidadezinha, mas também uma Bela que não precisa de homem para ser feliz.
Em momento algum, pegamos Bela contemplando como fazer para arrumar um marido ou pensando no marido que ela gostaria de conquistar um dia. Não vemos Bela sonhando em ter filhos ou cuidar da casa – não que haja algo de errado em querer essas coisas, mas é realmente diferente e “refrescante” conhecer uma personagem autossuficiente e que não precisa de maquiagem pesada para se sentir bonita, nem de um relacionamento para se sentir completa. Esse é o ideal – e é sentir-se completo que prepara você para um relacionamento mais saudável. Way to go, Belle! ;)

Bela

Um Príncipe Nada Encantado e um Vilão-Fera
Para quem não sabe (há alguém no mundo que não saiba? Oo), a Fera nada mais é do que um Príncipe egocêntrico e arrogante, tão maldoso que nem sequer se dispôs a ajudar uma senhorinha viajante buscando se proteger da tempestade. Aiaiai, príncipe feio! Como já era feio por dentro, a senhorinha, que na verdade era uma bruxinha, o condenou à aparência de Fera, para mostrar por fora a feiura que tinha por dentro, até que isso se transformasse: quando ele fosse capaz de amar alguém além de si mesmo, seria libertado do feitiço.
Vamos combinar que tem outra pessoinha do filme que também merecia uma terapia de choque nesses moldes? Gastão, o que você tem de gato-delícia por fora, você tem que horroroso por dentro. E, enquanto o Príncipe negou ajuda a uma velhinha, Gastão cruza limites ainda mais perversos ao descontar sua raiva por sua constante rejeição por parte de Bela. (Way to go, Belle [2])

Fera

Crescimento Pessoal: cuidar-se por dentro
O live-action de A Bela e a Fera conquista nos pequenos detalhes e em todos os elementos. Um filme para assistir com toda a família (ou com aquele crush egoísta que precisa de um toque). É um filme fácil de se identificar, afinal, quem não tem defeitos que gostaria de trabalhar? Quem não tem um vilão em sua vida que gostaria de vencer? Mas o mais interessante é poder aprender com o filme que a beleza interior é a que mais importa para você ser a melhor versão de si mesmo: de que adiantam todas as riquezas e uma biblioteca cheia de obras valiosas, se, por dentro, você não se cuida, não se nutre? É um filme que, de certa forma, defende o autoconhecimento e a empatia como evolução pessoal: ao conviver com Bela, o oposto de quem é, a Fera é inspirada a questionar suas ações e seu comportamento.
Agora, te pergunto: em que aspectos você é, também, uma Fera precisando de regeneração? Em que sentido você também precisa se cuidar por dentro? ;) Fica a reflexão!

A Bela e a Fera estreia dia 16 março de 2017!

Não esqueça de se inscrever na nossa Mail List colocando seu e-mail abaixo!

Nerd: Natalia Contave

Natalia Contave, sou eu! A maluca com tatuagem de Harry Potter que ama cinema e literatura, e quando junta os dois, fica melhor ainda! Trabalho escrevendo, me divirto escrevendo, então, vamos fazer isso! Veremos uns filmes, leremos umas coisinhas e depois conto tudo por aqui! ;)

Share This Post On